Promoção Zalatune Ver maior

Zalatune

9789898975751

Novo produto

Autor: Nuno Gomes Garcia 

Ano 2034. Eles julgavam-se um povo superior. Agora, estão a desaparecer. Um por um.

Mais detalhes

12,65 €

-10%

14,06 €

Adicionar à Lista de desejos

Mais informação

Páginas: 280
Capa: mole
Tamanho: 153 x 232 x 18 mm

Edição: 01/2021
Tema: Literatura/Romance/Fantasia

Sinopse:

Em Ínsula, uma ilha perdida algures no Mediterrâneo, os estrangeiros são inimigos, a procriação é uma missão patriótica (e, por isso, todas as mulheres são obrigadas a ter pelo menos dois filhos), a pena capital foi reinstaurada e a Internet foi substituída por uma Intranet insular.

Naquele que parece ser um regime político verdadeiramente democrático, a vida do primeiro-ministro é acompanhada por câmaras 24 horas por dia, para garantir a total transparência do poder, e são os cidadãos que decidem o futuro do país, sentados no conforto do sofá, através de referendos online. em 2034, está na mão dos eleitores dar luz verde à decisão de construir um muro e expulsar de vez todos os imigrantes.

Só que o passado insiste em perseguir-nos e o desígnio traçado trinta anos antes por uma criança está prestes a cumprir-se: as pessoas estão a desaparecer e, para trás, deixam um único rasto, um pedaço de papel onde se lê Parti para Zalatune.

O que está a acontecer?
Para onde vão as pessoas que desaparecem?
Estará a existência de Ínsula condenada?

Numa trama viciante, Nuno Gomes Garcia apresenta-nos uma história que combina mistério, conspiração política, ódio visceral e ainda um amor proibido entre duas pessoas que deveriam detestar-se.

Sobre o autor:

Nasceu em Matosinhos em 1978, estudou História e foi arqueólogo. Vive em Paris, onde é consultor editorial e divulgador da literatura lusófona na rádio e na imprensa escrita. Corre todos os dias com o seu cão ao longo do Sena e a sua prioridade é ensinar os dois filhos a falar português.
Zalatune é o seu quarto romance, depois de O Homem Domesticado (2017) - cuja tradução será publicada em França em 2021 -, O Dia em Que o Sol Se Apagou (2015) - finalista do Prémio Leya - e de O Soldado Sabino (2012), obra traduzida e publicada em França.