Promoção Trás-os-Tempos Ver maior

Trás-os-Tempos

978-989-8342-38-6

Novo produto

A luz de um objeto que avistamos no espaço, luz essa que se libertou há milhões de anos, no momento em que chega até nós estamos a observar o passado, a partir do presente.

Mais detalhes

11,04 €

-10%

12,26 €

Adicionar à Lista de desejos

Mais informação

Sinopse:

A luz de um objeto que avistamos no espaço, luz essa que se libertou há milhões de anos, no momento em que chega até nós estamos a observar o passado, a partir do presente.

É assim este livro: o autor observa «o-seu-tempo» a partir do presente. E não é um tempo absoluto, estático, newtoniano, apesar de o contabilizar. É um tempo pluridimensional, um tempo espacial, um tempo emocional, um «espaço-tempo» que o unifica e que nos unifica. Com ele percebemos a natureza das coisas e de onde provieram, com ele percebemos porque somos como somos.

Biografia do Autor:

Francisco Manuel Rodrigues Alves nasceu em 1950, na aldeia de Varge, Bragança.

É deficiente visual desde a juventude.

Estudou os primeiros anos nos Seminários de Vinhais e de Bragança, concluindo o ensino secundário no Liceu Camões, em Lisboa. Estudou Filosofia na Faculdade de Letras de Lisboa, onde concluiu a Licenciatura em 1981 e o Mestrado em 2003. Foi professor de Filosofia e de Psicologia na Escola Secundária Pedro Alexandrino da Póvoa de St.º Adrião.

Participou ativamente na fusão das Associações de Cegos que levou à criação da ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal) em 1989, tendo sido o Presidente da Comissão Instaladora e o Presidente dos dois primeiros mandatos da Direção Nacional, desta Associação.

Foi um dos responsáveis pela organização do desporto para cegos em Portugal e, em 1988, foi eleito Presidente da Federação de Desporto para Deficientes. Na qualidade de Presidente desta Federação integrou as Delegações de Portugal aos Jogos Paraolímpicos de Atlanta de 1996, e de Sidney, em 2000. Foi fundador e diretor da revista da ACAPO, «Luís Braille», revista que reflete o associativismo dos cegos e onde criou, entre outras, a rubrica «Humor Cego», protagonizada pela personagem Jeremias Bengaladas.

Em 1989 ganhou o prémio Branco Rodrigues com o trabalho «Depoimento dum Professor Cego: O meu itinerário intelectual e vivencial e a alegria de viver», publicado na revista «Diálogo» do Ministério da Educação, tendo ainda conquistado o primeiro prémio de um concurso organizado pela Associação de Cegos Luís Braille com o conto «Viagem no Tempo», publicado em «Poliedro», revista editada em braille.