“Um livro emocionante, que por um lado, nos faz reflectir sobre a monotonia da vida; imposições da maturidade em detrimento das vontades individuais. Porém, que nos inunda de esperança, de encontrar aventuras, e realizar sonhos há muito esquecidos.”

Irina Sopas
Autora de “Odeio amar-te, poesia”